Pesquisar

quarta-feira, 30 de maio de 2012

EU SOU UM CORPO...

Eu ando vivendo num mundo tão coxinha que já tinha me esquecido. O mundo hoje parece um filme adolescente americano, polarizado entre Patricinhas Gostosas Periguetes, Marombados Sem Cérebro e Nerds Incompreendidos Em Busca De Um Amor Com Conteúdo. E todos saímos perdendo nessa. Categorizar o mundo dessa maneira é no mínimo descartar as nuances que formam o ser humano. Nem todo Gostos(ão/ona) é um idiota completo e nem todo Cérebro (é já vi um filme que se agrupavam por esse nome. Enfim.) é uma ótima pessoa segregada pelo resto do mundo que não presta. Na minha adolescência até via o mundo assim, mas porra, tive uma vida regada a Sessão da Tarde, não podia ter sido diferente.
O único problema é que vejo o mundo "adulto" nessa vibe adolescente. De separar as pessoas nesses míseros e esdrúxulos grupos. Ao invés de se preocupar com as nuances, os tons que vão direcionar a música.

E daí me lembrei: PORRA, EU SOU MEU CORPO!

Sou um ser completo. Corpo, mente e alma. E portanto não posso simplesmente relegar meu corpo à periferia porque o mundo diz que se eu cuido do meu corpo sou fútil e imbecil. Há uma preocupação tão grande com uma autenticidade, que a própria autenticidade tem sido deixada de lado. O seu corpo e sua mente não são antagônicos, formam a integralidade do ser. Se você se nega a pôr no canto seu cérebro, não pode fazer o mesmo com seu corpo. Ninguém mutila ou inutiliza parte do corpo voluntariamente em sanidade, então justificar o descuido do corpo como aceitação é no mínimo hipócrita. Você não tem que parecer um artista de tevê, mas precisa aceitar o fato que seu corpo é perecível e que se você o deixar de lado ele perecerá. Seu corpo é quem você é e não apenas quem você aparenta.
Já na Grécia Antiga, filósofos utilizavam a Educação Física como a busca pela integralidade do ser. Pra alcançar um ser completo e equilibrado. E vejo uma contramão desse ser equilibrado na nossa geração webguiada.
Vejo uma geração com um potencial de questionamento tão grande, mas que só o usa pra inventar respostas que contemplem o que as interesse. É como ouvi ontem em algum canto: As pessoas tendem a manipular os fatos para se encaixar às suas teorias e provarem-se corretos. Não sei se ficou exatamente claro, mas também não estou exatamente preocupado. rs.

Por fim um videozinho bem legal.



domingo, 27 de maio de 2012

O mundo e o Monotemismo

Monotemático - O que versa sobre um único tema.
Vivo num mundo de Monotemáticos. Esses seres pós-graduados em possuírem só um assunto. Sou um deles, admito (música,músicamúsicamuzzzzz) . Mas com a internet, tenho visto uma disseminação de chatos como eu. Pessoas que só têm um assunto. Pessoas que só raciocinam por um lado. Assumem um ponto de vista e não largam dele nunca mais. E tudo que tangenciar (nossa!) o assunto preferido - e único - desta pessoa será uma indireta a ela. Não é difícil. É só ver a galera que xinga muito no twitter ou que troca farpas com outros amiguinhos da internet. Isso sem contar as "princesistas" que enchem o Facebook com suas mensagens em forma de lição de moral - ou vice-versa.
E isso é de uma imbecilidade tão grande que tem me irritado. E na verdade dado aversão.
O que te ofende a vida da piriguete? O que o funk faz de mal à sua vida? Você pode não gostar do que o outro cara curte, mas não precisa se ofender porque o outro existe. Afinal, são 7.000.000.000 de pessoas no mundo, caralho. É óbvio que algumas delas vão pensar e existir de maneira diferente de você, e o fato desta pessoa se expressar genericamente NÃO é uma indireta a você.
Lembre-se o mundo é redondo e vemos a vida com mais que uma dimensão, então porque pautar tudo o que você ouve pelo único tema que você tem?